Thursday, November 29, 2007

Papo de esquina



Ei, ja não te vi antes?
Me parece tão familiar
Não sei se é o cheiro,
a voz ou o jeito de olhar

Acho que foi naquela curva,
perto daquela esquina,
Onde havia uns cachorros,
um bêbado e uma menina

Sim, era você!
Por onde andou?
Faz tanto tempo,
mas pra mim parece que
o tempo parou

A verdade é
que nunca esqueci
sempre soube que era você
Só estava olhando seus olhos,
me procurando
tentando me ver

Ei! Eu estou ali
No cantinho da iris,
perto da pupila
Segurando uma gota
que balança, ocila

Só esperando
a hora de me jogar
Deslizar no seu rosto
sentir tua pele,
lembrar teu gosto

Saber que não sou tao certo
e que não és tão louca
Sonhar dormindo em seus olhos,
cair no teu beijo
acordar em tua boca

4 comments:

paulinho said...

Volto com calma para ver tudo. Abraço.

Lua said...

Sensibilidade...

bilis said...

de fuder
velho
me amarrei muito fio
muito de fuder mesmo

construção poetica do caralho

ateh mais ver

Anonymous said...

Demais, rasta!