Tuesday, June 5, 2007

1, 2, 3, salve eu!

Salve-me, salva-te
Salvemos nós
Salvo engano
a cada ano
ficamos mais sós

Salve a Terra ficando quente
E cada vez nasce mais gente
com o coração tão frio
Lacrimeja um filete de rio
Escorre pro mar que não mata a sede

Ah! Eu hei de fugir
Tu hás de esconder
Havemos de mentir
O sentido desse caos
Tantos e tantos bens
Com tantos e tantos maus

Salve o animal irracional
Escovem o pêlo e a crina
Limpem bem as patas
Apertem o nó da gravata

Lá vão eles pro congresso
Seguem em frente cavalgando
Cagando e andando
Pro nosso progresso

De longe ouve-se os gritos
Respeite o preto! Salve o verde!
A cruz vermelha e a febre amarela
Tão podre e colorido
Que ninguém se lembra dela

Terra d'água, aquarela
Ela, enfim, envelheceu
Poucos gritam: salve a Terra
Todos rogam: um, dois, três, salve eu!

4 comments:

coletora de memórias said...

pobre amiga Terra

Camila Lemos Barata said...

Tava no blog de Maíra e vim aqui "curiar" o seu.:)
Belos textos,nêgo...Cobertos por uma sensibilidade real!

A individualidade assusta e nos reconhecermos como parte dela, contribuindo pra ela,assusta mais ainda.

O que fazer então?
Outra encarnação?

Beijos!

Joana said...

MARAVILHOSOOOOOOOOOOO

Tati Santos said...

É...é coisa que parece não passar!
Cada vez mais individualista e egoísta nosso povo está.
E o que fazer para melhorar?
Basta cada um ajudar...ajudar ao próximo...ajudar a si própio!
Vc é uma pessoa que contribui para a melhora de nosso planeta,com muita bonomia e conciência...vc vai longe!
Beijos...